01 abril 2012

Presidente da OAB pede renúncia imediata de Demóstenes Torres (DEMO)

Marta Salomon, BRASÍLIA Estadão

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, pediu há pouco a renúncia imediata do senador Demóstenes Torres (DEM), investigado pelo Supremo Tribunal Federal por envolvimento em esquema de exploração ilegal de jogos de azar em Goiás. Para Cavalcante, Demóstenes vive uma situação "mortal" para um político e não tem saída, além da imediata renúncia ao mandato, considerada por ele uma "atitude moral".

 Demóstenes foi flagrado em negociações com o contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira. O senador recebeu um ultimato do DEM e deve ser expulso do partido até terça-feira. Neste final de semana, tem se reunido com assessores. Até ontem à noite, não admitia renunciar.

 "É uma medida extrema, pessoal, mas o teor das conversas telefônicas mantidas com o empresários Carlos Ramos, divulgadas pela imprensa, evidenciam uma situação mortal para qualquer político", afirmou Ophir Cavalcante ao Estado. "A gravidade das denúncias por si só recomendam uma atitude moral. Continuar no cargo significa expor-se cada vez mais e ao seu partido", continuou o presidente da OAB.

 Ao cobrar uma solução rápida para o desgaste que o envolvimento de Demóstenes com corrupção expõe o Congresso Nacional, Ophir Cavalcanti insistiu em que a renúncia ao mandato não impedirá a defesa de Demóstenes Torres, e caberá à Justiça decidir sobre sua inocência ou não.

 No ano passado, Demóstenes escreveu o prefácio de um livro lançado pelo presidente da OAB sobre a lei da Ficha Limpa. O senador, que foi relator do projeto de lei, destacou que a sociedade brasileira "não admite que os destinos da nação possam ser geridos por representantes que não possuem conduta adequada à dignidade das relevantes funções públicas".

 Procurador de Justiça licenciado e senador há nove anos, Demóstenes começou a cair em desgraça em fevereiro, pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que apura esquema de exploração ilegal de jogos de azar em Goiás. Carlinhos Cachoeira está preso desde 29 de fevereiro. Outros seis parlamentares estão envolvidos em negociações com o contraventor.

2 comentários:

SARAIVA13 disse...

Glória,
Só falta agora o Sr. Ophir Cavalcante renunciar à Presidência da OAB ou ao cargo de procurador do Estado do Pará, onde recebe R$ 20.000,00 por mês de uma licença remunerada que já dura 13 anos.
Ótima noite de domingo.
Abraços,
Saraiva

Anônimo disse...

O Prefácio

Finalmente, o doutor Ofhir Calvacante, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), resolveu falar. Lembrou-se do prefácio do livro !?

O doutor Ofhir, preocupado com o desgaste geral, diz: "A gravidade das denúncias por si só recomendam uma atitude moral. Continuar no cargo significa expor-se cada vez mais e ao seu partido."

Uma perguntinha bem curta, só uma, o autor do livro prefaciado, o ilustrado doutor Ofhir, por a caso leu o livro "A Privataria Tucana" !?

Agora me lembrei, tem que acabar com essa mania de colocar nome de pássaro em partido político. Coitado dos tucanos. Refiro-me aos pássaros, claro. (risos !!).

Chico Barauna
02-04-2012.